"Acudam ao Drama dos Deficientes"

Sendo eu pai de uma criança deficiente, que vive 24 sobre 24 horas o drama de ter uma criança com necessidades especiais, gostava de fazer um apelo aos meus concidadãos:
 
Aos pais de outras crianças especiais, para que não se isolem do resto da sociedade. É nossa obrigação participar ativamente na educação dos nossos filhos, contribuir para que a sociedade aceite sem preconceitos a deficiência, é ainda nosso dever intervir de forma construtiva no processo educacional dos nossos filhos, junto das escolas, instituições e outras entidades que prestam serviços nesta área.
 
Quantos de nós, já corremos meio mundo, participando em Congressos sobre a deficiência, cheios de esperança que algum dia surja uma cura para a doença do nosso filho, ou apenas na esperança de ali aprendermos mais uma técnica que nos permita melhorar a qualidade de vida do nosso filho, ou ainda encontrarmos outros pais que partilhem a sua experiência connosco. No entanto, em quantos mais congressos participo, mais fico com a sensação de que o resultado final é meramente virtual. Porque cada vez mais, nesses congressos, se dá a palavra a técnicos, cientistas, investigadores etc., e cada vez menos se houve os pais, cuja experiência neste processo não poderia nunca ser esquecida.
 
Foi o caso do Congresso Internacional realizado em outubro 2002 no Coliseu dos Recreios em Lisboa, dedicado às crianças com deficiência, com quatro dias de discursos, mensagens, de desfiles de personalidades...etc., que no final se traduziram numa grande desilusão uma vez que em termos práticos não contribuíram para:
  • Aumentar o número de horas do ensino especial a que as crianças deficientes têm direito;
  • Melhorar as condições e motivar os técnicos;
  • Abrir novas escolas de ensino especial;
  • Abrir novos centros de reabilitação;
  • Melhorar a inclusão destas crianças no ensino oficial e na sociedade.
Eu vivo em Leiria, capital do Distrito, onde existe uma população com 12% de deficiência (censos 2001).
 
Apelo a todos os que vivem neste Distrito, sejam pais, familiares, instituições privadas ou públicas, representantes do poder local e central para que juntem esforços no sentido de se conseguir abrir um Centro de Reabilitação para Crianças Deficientes em Leiria.
 
Que melhor modo de comemorarmos o ANO EUROPEU DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA em Leiria, do que contribuir para a realização deste sonho: abrir um Centro de Reabilitação, uma obra que fica para o futuro.
 
Ser pai de uma criança especial, é viver numa “guerra” permanente, para vencer as incapacidades dos nossos filhos, é estar sempre com ele, em muitos casos para o resto da vida, porque ele depende totalmente de nós.
 
Nos tempos conturbados em que vivemos, vejo tanta gente a despender energias em discursos na TV, em manifestações na rua, em artigos nos jornais, em prol de realidades longínquas, com o nobre ideal de melhorar o mundo.
 
Deixem-me que desabafe, a melhor forma de melhorarmos o mundo é começar pelo nosso país, pela nossa cidade, pela nossa casa.
 
Ajudem-nos com a vossa solidariedade a abrir o centro de reabilitação em Leiria que irá suprir as necessidades de centenas de crianças do Distrito, que têm que recorrer a Coimbra ou Lisboa semanalmente.
Ajudem-nos a vencer esta “guerra” que também é de todos nós (existe um milhão de pessoas deficientes em Portugal, censos 2001), para a paz das consciências adormecidas. 

P.S. A minha Filha, apesar de não andar e não falar, é a minha alegria e a minha força de viver e seria uma pena que do ANO EUROPEU DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, nada de concreto e útil resultasse, para melhorar a qualidade de vida das crianças com deficiência.
 
Jorge Manuel Martins
Pai de uma Criança Especial
Sócio da APPC-Leiria